☣ LOCAL DESTINADO A TRANSMISSÃO DE LIVES OU VIDEOS EM DESTAQUES ☣

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Cientistas mostram como funciona o vírus da paixão

Muita gente imagina a paixão como um produto da alma. Ou do coração. Mas é, em essência, por menos romântico que pareça, um jogo químico.
A BBC ouviu cientistas que identificaram como esses elementos químicos funcionam em cada estágio da paixão.


Estágio 1: Luxúria
A luxúria é "alimentada" por dois hormônios: a testosterona e o estrogênio.
A testosterona, ao contrário do que se pensa, não é restrita aos homens. Ela também tem um papel de destaque no desejo sexual feminino.
Estágio 2: Atração
É neste estágio que as pessoas apaixonadas não pensam em outra coisa. Elas podem até perder o apetite e dormir menos, preferindo passar horas sonhando acordadas com seu novo interesse amoroso.
Leia mais: São Paulo concentra metade dos casamentos gays do Brasil, diz IBGE
Isso é "culpa" de um grupo de enzimas neuro-transmissoras chamadas monoaminas. Mais precisamente de três delas:
Dopamina: Também ativada pela cocaína e pela nicotina, causa sensação de euforia.
Norepinefrina: Conhecida também como adrenalina. Faz com que suemos e acelera os batimentos cardíacos.
Serotonina: Uma das mais importantes substâncias da "química do amor", e que pode fazer com que fiquemos temporariamente insanos.
Rato do deserto
A surpressão do hormônio vasopressina nos ratos do deserto deteriora ligação entre parceiros
Estágio 3: 'Apego'
Este é o estágio que se instala após a atração, se um relacionamento durar. Se a atração durasse para sempre, nada mais que bebês seriam feitos num relacionamento.
O 'apego' é um compromisso mais longo e este laço é que mantém os casais juntos.
Casal em pose íntima
Ao contrário do que se pensa, a testosterona também é um hormônio fundamental para o desejo feminino
Neste estágio, cientistas acreditam que dois hormônios liberados pelo sistema nervoso têm papel na formação de laços.
Vasopressina: Outra importante substância química nos compromissos de longo termo. Pesquisas com ratos do deserto sugerem que a supressão de vasopressina em machos faz com que a ligação entre parceiros deteriore imediatamente, com a perda de devoção e a falha em proteger a parceira de novos pretendentes.
Oxitocina: Produzida pelo hipotálamo, uma glândula cerebral, e liberada tanto por homens e mulheres durante o orgasmo, a oxitocina ajuda a fortalecer ligações entre casais, segundo cientistas. A teoria é simples: quanto mais um casal fizer sexo, mais forte o elo entre eles fica.

Um comentário:

  1. Nossa, eu nunca imaginei nada disso, me surpreendeu totalmente. Parabéns pelo blog.


    www.thevinydiary.com

    ResponderExcluir